Texto: Daniella Orsi

Fotografia: Divulgação/ Vanessa Fujihira

SITE

Flávio Benevides, gerente geral da Processium no Brasil

Quando a Processium, empresa francesa especializada em design e desenvolvimento de produtos e processos para a indústria química, lançou um modelo de negócios baseado no desenvolvimento internacional, o administrador e gestor de projetos José Flávio Benevides Ferreira, 29 anos, realizou um treinamento intensivo na matriz, justamente com o objetivo de implantar e desenvolver a Processium do Brasil.

Fundada em 2014, o desafio inicial da nova empresa foi o de encontrar o lugar ideal para sua instalação. Segundo Ferreira, que possui doutorado em físico-química aplicada ao desenvolvimento de processos pela Université de Bordeaux, para proporcionar aos seus clientes soluções cada vez mais inovadoras e eficazes, os sócios da Processium do Brasil buscavam tanto estar próximos à uma universidade de ponta quanto estarem bem localizados geograficamente.

Nesse sentido, a Incubadora de Empresas de Base Tecnológica da Unicamp (Incamp) se encaixou perfeitamente com os desejos dos sócios, que também buscavam uma incubadora que lhes auxiliasse na etapa inicial do desenvolvimento da empresa, como na resolução de problemas jurídicos e administrativos ligados ao início das operações empresariais.

Benevides explica ainda que a Incamp lhes permitiu um suporte de consultoria e capacitação em empreendedorismo na realidade brasileira, sobretudo por meio do programa realizado pela Incamp em parceria com o SEBRAE. Por estar instalada dentro da Unicamp e pela facilidade de contato com pesquisadores para resolução de problemas científicos, ele afirma que a Incamp proporcionou à empresa uma maior notoriedade perante aos clientes.

Confira a seguir a entrevista com Benevides sobre seus negócios e o processo de incubação.

[Inova Unicamp] Como surgiu a ideia de abrir a empresa? Como os sócios se conheceram? Quais foram as suas motivações? Por que escolheram empreender?

A Processium do Brasil começou a ser idealizada em 2012 pelo CEO da Processium, o doutor Pascal Rousseaux. Com o intuito de alavancar o crescimento, a Processium, empresa francesa especializada no design e desenvolvimento de produtos e processos para indústria química, lançou nesse período um novo modelo de negócios baseado no desenvolvimento internacional. Iniciou-se então um amplo estudo para detecção de novos mercados emergentes. O Brasil foi rapidamente apontado como um país promissor visto seu grande potencial de desenvolvimento industrial. Em 2014, várias missões de prospecção foram organizadas, a fim de validar o interesse dos nossos futuros clientes brasileiros pela nossa oferta. Players brasileiros, desde pequenas indústrias até grandes multinacionais, mostraram um grande interesse pelos serviços da Processium.

Eu conheci Rousseaux na França. Após meus estudos de doutorado, fiz um treinamento intensivo em desenvolvimento de negócios e design de processos na matriz, justamente com o objetivo de implantar e desenvolver a Processium no Brasil.

[Inova Unicamp] Quais os desafios encontrados antes do processo de incubação? Por que escolheram a Incamp?

O principal desafio foi de encontrar o lugar ideal para instalação da empresa. Para proporcionar aos nossos clientes soluções cada vez mais inovadoras e eficazes, buscávamos proximidade com uma universidade de ponta para estabelecer colaborações científicas e tecnológicas. Além disso, buscávamos também uma boa localização geográfica, que nos proporcionara um bom acesso aos principais players da química e biotecnologia industrial. Outro requisito importante foi a busca por uma incubadora que nos auxiliassem na etapa inicial do nosso desenvolvimento por meio de um suporte efetivo de consultoria, capacitação e relações exteriores. A Incamp junto com a Agência de Inovação Inova Unicamp respondeu a todos estes requisitos.

[Inova Unicamp] Qual oportunidade, proporcionada pela Incamp, trouxe benefícios para o seu negócio?

A Incamp proporcionou à empresa uma maior notoriedade perante os clientes, por estar instalada dentro da Unicamp e pela facilidade de contato com pesquisadores para resolução de problemas científicos. Nos ofereceu também uma capacitação em empreendedorismo na realidade brasileira por meio do SEBRAE e auxiliou a Processium do Brasil na resolução de problemas ligados ao início das operações empresariais.

 [Inova Unicamp] Como é o mercado em que atuam? Quais os desafios de empreender nesse segmento?

O mercado que atuamos é o da indústria química. Este mercado é muito dinâmico e competitivo. O grande objetivo das indústrias brasileiras é de adotar um desenvolvimento sustentável para colocar no mercado produtos que atendam aos novos anseios dos consumidores. Por exemplo, há atualmente no Brasil um grande movimento para a pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e processos para a produção de químicos a partir de fontes renováveis. O grande desafio para a Processium é de estar alinhado com a rápida evolução das necessidades industriais.

[Inova Unicamp] Quais produtos vocês oferecem?

A Processium presta serviços de pesquisa e desenvolvimento, mais especificamente, design e desenvolvimento de produtos e processos para players da indústria química.

[Inova Unicamp] Qual o principal diferencial competitivo de sua empresa?

Nossa empresa oferece aceleração do desenvolvimento do projeto do cliente, resultando em ganho de tempo e economia de recursos. Não participamos da questão da propriedade intelectual, afinal, todos os estudos são de inteira propriedade do cliente. Propomos uma ótima solução do ponto de vista técnico-econômico e oferecemos expertises de ponta a serviço do cliente.

[Inova Unicamp] Quais são os seus planos para o futuro? Quais serão os próximos passos?

Temos planos de fortalecer o desenvolvimento local por meio de constituição de uma equipe de engenheiros e implantação de laboratórios especializados. Visamos também montar projetos de R&D em colaboração universitária para desenvolvimento de novas tecnologias adequadas com as necessidades e características do mercado brasileiro.

[Inova Unicamp] Qual seria sua recomendação para outros empreendedores, que também estão iniciando seus negócios?

Resiliência e otimismo.

image007